Negócios

B2B, B2C, C2C, B2G e B2E: qual é a diferença?

Christian Wilbert
Escrito por Christian Wilbert
Junte-se a nós !!!

Receba conteúdo exclusivo direto no seu e-mail

Seja qual for o seu tipo de negócio ou ramo de atuação: precisa conhecer bem o seu público para criar estratégias personalizadas, concorda? Por isso, ter um modelo de negócio bem formatado é fundamental para que a sua empresa alcance os resultados almejados. Dessa forma, determinar quem é o público é fundamental: você sabe se a sua empresa é B2B, B2C, C2C, B2G ou B2E?

Inicialmente, esses termos podem até parecer complexos. Mas, na realidade, não são! O grande segredo é identificar para quem você vende: se é para uma empresa, consumidor final, governo ou colaboradores.

Pareceu confuso? Não se preocupe! Venha conosco que vamos ensinar tudo sobre esses termos. Vamos lá?

Business to Business (B2B)

O termo B2B é uma abreviação de Business to Business, que nada mais é que “negócios para negócios”, em inglês, ou seja, empresa para empresa. Portanto, as vendas são realizadas para outras empresas — que vão usar as mercadorias ou serviços para o consumidor final ou para o seu próprio uso. 

Por exemplo: imagine que você seja um fabricante de roupas infantis e o seu foco não é abrir uma loja para vender ao consumidor. Afinal, para ter mais lucro, você pensou em fazer a produção em grande escala, pois percebeu que oferecer para lojas que vendem roupas infantis é muito mais lucrativo do que tentar vender por conta própria.

Nesse caso, você tem uma empresa (fábrica) que vai ofertar para outra empresa, certo? Afinal, você vai entregar a sua mercadoria na loja e eles venderão ao consumidor final. Esse é o formato de venda B2B. Simples, não é mesmo?

Business to Consumer (B2C)

O Business to Consumer, ou “empresa para o cliente”, é justamente o contrário do exemplo que citamos acima. Esse formato de negócio costuma ser o mais comum, pois as transações são realizadas diretamente ao consumidor final, sem o intermédio de outras pessoas ou empresas no meio.

Ainda de acordo com o exemplo da fábrica de roupas infantis, você abriria uma loja (ou um e-commerce) para vender ao consumidor final. Portanto, o modelo de negócio B2C precisa ter o cliente final como foco de todas as suas estratégias comerciais e de marketing.

Consumer to Consumer (C2C)

O termo Consumer to Consumer, ou “cliente para cliente”, refere-se ao comércio realizado entre consumidores. Com a pandemia, em virtude do coronavírus, esse mercado se ampliou. Afinal, certamente você deve ter visto anúncios nas redes sociais, por exemplo, de algum amigo que decidiu revender os seus móveis para conquistar uma grana extra.

Ou seja, o cliente comprou algo de uma empresa em um determinado momento da sua vida e resolveu revendê-lo para outros clientes. Claro, não necessariamente precisa ser algo que ele tenha usado e não queira mais, como no exemplo assim.

Por exemplo: vamos imaginar que você seja apaixonado por jogos on-line, no entanto, na sua região, os preços dos jogos são muito altos. Dessa forma, você encontrou um marketplace que vende jogos mais baratos. Assim, você compra eles e os revende aos seus amigos, por um preço mais em conta e ainda ganha uma porcentagem em cima.

Além disso, existem plataformas de anúncios que auxiliam o trabalho do C2C, como é o caso do Mercado Livre, OLX e eBay. Assim, você se torna um vendedor, anuncia o seu produto e vende para outras pessoas que se interessam pelo assunto.

Business to Government (B2G)

O sistema Business to Government, ou “negócios para o governo”, é um pouco menos comum na nossa rotina. Ele se refere às transações que são realizadas entre uma empresa e o governo. 

O B2G é um pouco mais complexo, pois como se trata de recursos públicos (aquele dinheiro que vem dos impostos e das taxas que somos obrigados a pagar), é preciso ter uma forte regulamentação para que as transações sejam realizadas.

Por isso, surgem as licitações, que têm como objetivo evitar que o dinheiro público seja desperdiçado. Dessa forma, para vender para o governo é preciso seguir uma série de regras e obrigações. Assim, na maioria das vezes, a empresa que apresenta o melhor custo-benefício é a escolhida pelo governo.

Business to Employee (B2E)

O modelo de negócio denominado Business to Employee, nada mais é do que “empresa para funcionário ou colaborador da empresa”. Afinal, é muito comum um colaborador acabar comprando os serviços ou produtos da empresa que trabalha.

Nesse caso, os colaboradores normalmente têm condições especiais, com preços diferenciados — muitas vezes com limites máximos de compras. Assim, é sempre necessário conferir com o sindicato da categoria quais são essas regras de venda para segui-las nas transações comerciais. Portanto, saiba que os funcionários também podem garantir uma ótima oportunidade de crescimento.
Você gostou de aprender mais sobre os diferentes modelos de negocio B2B, B2C, C2C, B2G e B2E? Então, confira também: vai vender on-line? Conheça agora a força do nicho de mercado! Boa leitura!